Transplante de Medula Óssea

A medula óssea é uma substância semelhante com gelatina nas cavidades dos ossos que contém células troncos hematopoiéticas (produtoras de sangue), normalmente chamadas de “células tronco”. Essas células são críticas para a vida porque produzem de modo continuo células sanguíneas vermelhas que carrega oxigênio; células sanguíneas brancas que ajudam a prevenir infecções, e plaquetas que atua como coagulantes para interromper hemorragias.

Os transplantes de medula óssea ajuda a curar enfermidades que intrometem na produção de qualquer um desses tipos de células. Essas enfermidades incluem leucemia, doença de Hodgkin e outros linfomas (cânceres do sistema linfático). Para pessoas com leucemia mielógena, que e a forma mais comum de leucemia, células brancas anormais enchem a medula óssea, entram na corrente sanguínea, e podem invadir outros órgãos e tecidos. Transplantes de medula óssea também podem favorecer pacientes com situações não-cancerígenas caracterizadas pela carência na produção de células sangüíneas, como anemia aplástica e desordens hereditárias no sistema imunológico. Enfermidades que atinge a produção de células sanguíneas na medula são complicadas de serem curadas com tratamentos normais. A quimioterapia e radioterapia exterminam não somente as células anormais, mas também as normais.

O transplante de medula óssea consenti ao médico tratar enfermos com dose elevada de terapia, destruindo efetivamente todas as células na medula óssea, e então trocar a medula óssea deteriorada por uma saudável. Médicos também têm empregado transplantes de medula óssea em tratamentos experimentais de enfermos com tumores cancerígenos sólidos, como o de mama e testículos, por exemplo, que requerem tratamento agressivo com altas doses de medicamentos tóxicos.

Nesse caso, o transplante de medula óssea é usado para tentar “salvar” o paciente das altas doses de quimioterapia imprescindível para destruir o câncer, a qual também destrói a medula óssea. Todos nós podemos ajudar. Para isso é necessário ter entre 18 e 55 anos de idade e gozar de boa saúde. Para se cadastrar, o candidato a doador deverá procurar o hemocentro mais próximo de sua casa, onde será feita uma entrevista para esclarecer dúvidas a respeito das doações e, em seguida, será realizada a coleta de uma amostra de sangue (5 ml) para a tipagem de HLA (características genéticas importantes para a seleção de um doador). Os dados do doador são introduzidos no cadastro do REDOME: Registro Nacional dos Doadores Voluntários de Medula Óssea e, sempre que aparecer um novo paciente, a compatibilidade será analisada. Uma vez confirmada, o doador será avisado para decidir quanto à doação. O transplante de medula óssea é um procedimento seguro, feito em ambiente cirúrgico, realizado sob anestesia geral, e requer internação de, no mínimo, 24 horas.

Deixe um comentário